sexta-feira, 5 de novembro de 2010

duas vezes me perdi
em teu olhos dúbios
(o verde que verte
o azul fica na espera)

nas duas vezes que de ti
tirei por mim
em parte e inteira
a inverossímel quimera

me encontrei uma vez
no vale abismal
que se aprofunda
entre teus seios

ali então perdido
ou mesmo me encontrado
desvencilhar de ti
faltou-me meios

(a calma plácida
que dos cumes íngremes
as ígneas lavas
se enleva

um outro cume
que ereto
e embranquiçado
nele neva)

o rio caudaloso
do teu ventre
torrente indômita
levou meu corpo

nossos corpos
algozes mútuos
no entre si devoram
e se imploram

nossos fogos
ardentes se ateiam
o líquido farto
que jorra de mim
desincendeiam

sabe que em silêncio choro porém nunca reclamo
é que eu...
sabe, eu vinha ....
não é bem isso, é que...
eu queria...
desisto!
a verdade última é que não sei dizer quanto te amo

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Átimo

Nunca passe um segundo
por nada neste mundo
a desnecessariamente sofrer

pelos golpes futuros
pela falta de seguro
ou com medo de morrer

pois cada segundo sofrendo
ou então se maldizendo
é um pedaço de ti a se perder

é uma gota esvaída
é a alma partida
um pouco de morte no teu viver



Versos para o verso

Lápis, caneta, teclado
os dedos tocam emocionados
olho de frente sem medos
com eles não tenho segredos

em seu meio sou puro verbo
livre sou em ti não sou servo
sou eu quem sou neste verso
está aí meu ser, meu universo

Se me alegro sou verso livre
meu peito se abre e sobrevive
se me entristeço palavras sombrias
fazem minhas estrofes tão frias

Meus versos mudam ao sabor de vento
ao sabor de mim e do meu intento
quando o amor renasce manhã colorida
surge o esplendor da flor mais sofrida

Mas se meu amor de mim se afasta
escrever amargamente me basta
nos versos verto a lágrima perene
o lápis da tristeza escreve infrene

Em seu seio busco soluções
extravasso todas minhas emoções
Verso, és incansável busca
que meu pensamento não ofusca

domingo, 17 de outubro de 2010

olha ela
como é bela
na janela
que dá
de frente pro meu jardim
entre tantas flores
só dá ela
rosa, gardênia
e jasmim
tantas cores
há em mim
e o sorriso
que em seu rosto
se parte
em mil sóis
coloridos lençóis
no parapeito
mil pingentes
que em seu peito
estilhaçam
corações ao chão


segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Quando ando pela estrada
observo essas casinhas
pequenas e pintadas em cores berrantes
e lembro das mansões
confortáveis e luxuosas
que observei na cidade um pouco antes

verde-limão
rosa-choque
abóbora ou escarlate
é tão pouco espaço
e tanta gente
um cachorro que late

(em forma de som
é o desespero da fome quem grita
indiferente a ele
ao sabor do vento uma árvore se agita)

o resto é mortal silêncio
será que todos nessa casas dormem?
para esquecer quem sabe
ou então lembrar
de um outro tempo que não houve

(nas mansões por outro lado
tão geladas
de um silêncio que era mortal
as casinhas ao seu lado
flageladas

que tristeza é esta em volta
desta estrada tão comprida?
a lembrança amarga
de um tempo em minha vida
ou um lugar que eu nunca soube

triste mesmo é o silêncio
em que esta pobre gente aguarda
a solução final da morte
ou chegar um anjo da guarda


sábado, 2 de outubro de 2010

A flor da favela

brotou uma flor
na subida da favela
bem em meio ao desamor
mesmo sem ser a mais bela
no entanto era só ela
a única flor da favela
o terreno era árido
e a paisagem sem cor
mas só de teimosa
assim mesmo a vida
ali plantou uma flor
suas pétalas desbotadas
e sua folhas mirradas
abriam as portas cerradas
dos barracos da pobre gente
que ante visão tão inocente
de uma flor tão indecente
na secura dos olhos vazios
saltados dos rostos frios
ardia uma luz já extinta
uma pontinha de emoção
e esta pobre gente sentia
nascer uma flor no coração

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Escreveu o poeta
muitos versos de amor
mas ninguém os quis ler
enfim sua pena calou-se
e muitos versos natimortos
jazem para sempre
no gélido mausoléu
do seu coração

domingo, 26 de setembro de 2010

Amar
sofrer
amar de novo
e sofrer, sofrer
sofrer até cansar
e amar ainda uma vez
e cair, cair
chegar tão fundo
ao fundo do fundo
e enfim desesperar

eis o ciclo da vida
eis o princípio da morte
de um cansado coração
que amou ardentemente
e já não ama
que chorou, mas já não chora
que foi doce, mas agora é amargo
seu olhos secos
sem vida
olham de frente o futuro
mas só conseguem ver o passado

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Triste
não é viver na solidão
erma e sombria de uma caverna
ou na imensidão verde e úmida
de uma ilha abandonada
Trite mesmo
é viver na multidão
e estar completamente só

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

O que há no caminho? A sombra do caminhante que a seu lado o acompanha. Pois seu passo é solitário, mas suas mãos buscam companhia. O coração anda sereno, mas a mente turbilhona em pensamentos vários. É que tudo a seu redor lhe é pertinente. Tem interesse no mundo. Sente inveja até daqueles que nada pensam, que se cansam e se entediam de tudo, pois descansam eternamente (será que morte? se pergunta). É que pensar dói e cansa e morrer é tão indolor. Mas que seria uma vida vazia, um corpo sem alma, um copo vazio, um lamento, um substrato sem sua essência? A alma do idiota talvez esteja perdida, apenas seu corpo é que sereno (cale este riso tolo e lhe dedique um minuto de silêncio). A luz do pensamento enerva. Então que se pensasse com calma, nunca esse furacão de pensamentos. Tendo só a eterna sombra por companheira. Que há de ser quando o Sol e a Lua sumirem e deixarem de emitir sua luz? O que sobra num mundo sem sombras e sem luz? A aniquilação definitiva das diferenças fará sobrar apenas a igualdade do nada. Esta luz intensa que enlouquece, a tortura da escuridão que esvazia. Quisera transformar-se em gelo e não ter que escolher nada.
Quantas coisas disse, mas não disse nada, talvez a mais cruel obsessão de quem escreve é este indefinido problema. Indefinido assim por lhe faltar as devidas condições de contorno. A falta, assim como o excesso, é uma necessária etapa da vida.

sábado, 4 de setembro de 2010

Poemas antigos

Fim de romance

Tudo que restou no fim do nosso amor:
Uma lágrima, um beijo negado, a dor.
Um lenço teu, todo borrado de lágrimas e batom,
a suave melodia de uma canção nostálgica do Tom.
Um bilhete de despedida rasgado,
um recado na secretária em tom emocionado,
um retrato quase sem cor, sem idade
e dos tempos bons:

Uma imensa saudade

******

Montanhas

Montanhas entortando o horizonte, entortando o céu que é plano. Deixando curvas nas dobras do mundo, criando vales e torrentes, recortando a terra, derrotando o igual, violando o tédio, violentando a esfera. Esfera oca cheia de pontas, espinhos, carrapicho. Ali, nas montanhas, é que nascem os rios.
Os rios transportam os sedimentos que adubam os solos. Solos com sede de sedimentos, seres com sede de sentimentos. Eu com sede de ti. Nós com sede uns dos outros. Seres vivos com sede de vida.
Filhos! Resultado da sede que a vida tem de si mesma. Eu amo porque sou um rio com sede de rios, vida com sede de vida, rio e sede da vida, dos peixes, peixe com sede de peixes. Sorvo cardumes de um só gole. Rios são serpentes líquidasque se estendem nas planícies para tomar Sol. Montanhas! Saiam da frente do meu Sol. O Sol é meu! O Sol é teu, o Sol é nosso.
Mas aqui, nesta parte que estou da Terra, chega a luz de Sol que vem de uma parte do Sol que é só minha, pois se sou dono da luz, sou dono da fonte desta luz. Sou dono de uma parte do Sol. Sol que ilumina montanhas escuras, florestas sombrias que se tornam luminosas ante seu mágico toque. Pelas frestas de tuas copas, floresta, deixas passar um pouco da luz do Sol. Mesmo que seja uma nesga, perdes um pouco de tuas sombras e o Sol perde uma da luz que o consome, mas os seres que te habitam ganham um pouco mais de vida.
Esta estranha relação que tens com o Sol me ensina que quando se perde algo em algum lugar, em algum tempo, necessariamente alguma outra coisa se ganha em algum outro lugar e em algum outro tempo.
Não há ganho sem perda, nem perda sem ganho. Isto me faz conter meu desejo de ganho, por não querer provocar uma perda, isto me faz aceitar minhas perdas, pois houve ao mesmo tempo um ganho.
As montanhas desafiam com suas escarpas os alpinistas à escalada. Escalar montanhas, subir degraus, este nosso destino. Somos todos alpinistas. Havia uma montanha que nunca um alpnista ousara escalar. Mas aquele alpinista, ah, aquele alpinista, ousou.
Suas chances de voltar eram mínimas, mas o que não é arriscado nessa vida? Contra tudo e contra todos ele ousou. E fracassou na primeira tentativa, mas, depois daquele fracasso, ficou mais fácil escalar montanhas que antes eram difíceis. Quem tenta o inalcançável pode consquistar outras coisas. Mas, se pensam que ele desistiu da escalada, estão enganados. Aquela montanha era a montanha da sua vida. Por nada deixaria escapar aquela conquista. Nem que fosse à custa de ossos quebrados ou da vida. Se ele não tentasse ,de que valeria a vida? Errar não seria problema. Ele errara outras vezes e nem por isto desistira, nem por isto se sentira derrotado. Haveria de chegar o momento da definitiva conquista. Se ele tudo fazia e tudo conseguia, era por ter um único propósito.
Por isto mesmo, nem vou dizer se ele conseguiu escalar ou não a montanha da sua vida. Nestas histórias vale mais a luta do que a consquista. Vencedor é aquele que enfrenta suas montanhas, não aqueles que a conquistam. A grande conquista é a conquista de si mesmo.



Me contaram

Foi o mar que me contou
confidência da Lua
num sopro secreto do vento
nas estrelas foi que li
dourados versos do Sol
sussuraram as gotas da chuva

o universo inteiro sabia
as galáxias não mentiam
cometas nos seus rastros sibilavam

Em tudo que vi, li ou ouvi
vi teu nome, vi teu rosto, vi teus olhos

e todas coisas me contavam:

Te amo!
Me amas!

Benno

sábado, 28 de agosto de 2010

No meio do caminho


havia uma pedra no caminho
mas há tantas pedras
que uma a mais não fará diferença

e sem pedras o caminho é sempre o mesmo, liso e igual,
tão sem graça
que a pedra por magia nele se faça

ora, uma pedra não é assim tão mau

mas se for uma pedra grande
tão grande
que bloqueie o meu caminho
só mesmo dinamite

Sabedoria

No justo caminho
a verdade paira (o vinho)
só um gole
na estreita garganta
a sabedoria santa
me engole
e me deixa
entre o ter e o ser

entre a arrogância e a modéstia
da luz uma réstia
entre a coragem e a covardia
sobra mais um dia

que se vive sem saber


Solidão

é tão imenso
( e triste)
o mar
entre duas ilhas

Pérola

lágrima:

pérola solitária
nascida no bojo escuro
do ostracismo


...
Não a rua
mas sim a calçada
que me importa a cidade
se posso me perder
na multidão
e ainda ser alguém

domingo, 22 de agosto de 2010

I - A mulher ideal

Amo a puta que existe
dentro de uma mulher
que faz de mim e dos outros
tudo aquilo que bem quer
e ao que os outros é abjeto
a mim é coisa que muito agrada
ser um homem-objeto
de uma moça safada
mas só para contradizer
amo também a outra parte
e tenho muito a dizer
se permitir minha arte
da mulher que me é submissa
que é decente e vai a missa
e faz tudo que eu quero
na cama e na cozinha
que sempre foi apenas minha
e por isso mesmo a venero
mas isso tudo é bem pouco
a poesia é imensa
e o poeta é um louco
que tudo diz sem ofensa
e tanta coisa adora inventar
que nada na vida lhe faz mal
por isso agora vou cantar
da mulher que a mim é igual
pois ela mais do que tudo
de qualquer maneira que seja
de paixão me deixa mudo
e está comigo pois me deseja
mais que tudo no mundo
e meu viver se torna fecundo
mas a mulher que mais amo
e da qual nunca reclamo
é aquela que resuma
todas aquelas em uma

II- Estranho

Não me chame
pelo meu nome
sou apenas um desconhecido
sem nome e sem coração
que invadiu tua noite
e incendiou o teu corpo

domingo, 15 de agosto de 2010

"As paixões são como ventanias que enfurnam as velas dos navios, fazendo-os navegar; outras vezes podem fazê-los naufragar, mas se não fossem elas, não haveria viagens nem aventuras nem novas descobertas." - Voltaire
As paixões não têm razões, mas são as únicas razões que encontramos. Sem elas a vida não vale a pena ser vivida, ainda que elas nos causem dor e problemas, que nem sempre sejam seguras e certeiras, muitas vezes nos levando ao erro. Mas há que se tentar, pois a alternativa seria nada fazer e nada fazer seria não existir. Ajo, logo existo. Se só se agisse diante da certeza do resultado, nada teria sido feito, pois a certeza não pode preceder o feito. Diante do erro, que nunca é fracasso (o único fracasso de fato é nem tentar) nada resta a não ser levantar a cabeça e tentar de novo.
"Pois tudo que é grandioso é perigoso; e é verdade, como diz o adágio, que o que é belo é difícil." - Sócrates (A República)
É tão simples ficar em casa sem fazer nada, mas a vida vai passando na janela e quando percebemos que ela passou já é bem tarde. Vemos a sombra da vida não vivida se esvair no horizonte à medida que o Sol se põe. Mas não percamos a esperança. A luz vai romper do outro lado, novamente e poderemos nos levantar e mudar tudo isso. Talvez seja o último dia pois toda a hora é uma boa hora para se morrer. Mas se esta hora não tiver ainda chegado, que se viva!
Tudo deu errado, mas vivi e não havia nada mais nobre a ser feito, pois amei. E amar é tudo, mesmo que se tenha deixado amar, pois quem amou ainda ama, nem que seja a lembrança de um doce beijo.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Multiplicação
completam-se
nossos corpos
fundem-se
nossas almas
em orgasmos múltiplos
multiplicam-se os nós
que nos amarram

Desejo
em volta do teu umbigo
meu desejo passeia
ânsia de te possuir lento
abrigado ou ao relento
na tua ou na minha cama
sobre a grama ou a areia
tuas curvas acentuadas
e tua pele dourada
mexem tanto comigo
fazem vibrar minhas veias
que derretem-se ígneas
tenho-te sempre aqui dentro
em minha circulação sanguínea

Língua venenosa
tua língua entre lábios vermelhos
me provoca
entres os pelos do meu peito se enrosca
AR
o vento
este leve ar que lentamente sopras
insufla meus pulmões
de desejos

MILAGRE
a doçura do olhar
me engana
doce engôdo

este em que caio


só não caio o bastante


SANGUE
Doarei meu sangue e meus olhos
por um momento em ti
pois quando lá
nada mais verei
a não ser teu cerne
e a fusão difusa de nossas veias
dispensará o pulsar do meu coração
e bastará o teu

terça-feira, 10 de agosto de 2010

sufôco

o ar
que me falta
é teu sorriso

carnívoro

a posta
de carne
que devoro
é tua boca

sonhador

o sonho
que embala meu sono
é teu semblante

sofrido

a dor
que mais me dói
é tua falta

enchente

a chuva torrencial
que me transborda
é o tênue orvalho
que exsuda teu gozo

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Viagem ao redor do nada.

Vontades, é tudo que há, apenas vontades. Vontade de te ver, vontade de nunca mais te ver, te amo e odeio a um só tempo, beijo a boca e ofendo a fenda, funde-se de opostos e de sombras o teu rosto, na maquiagem que o tempo traçou em rugas tuas histórias. Sobras de madeixas espalhadas pela casa, rastros do teu desespero, dizem-me mais as folhas orvalhadas espalhadas na varanda. O amanhecer me deixa sonolento, mas o anoitecer desperta o vampiro que me habita. Esta ânsia plangente de devorar o sangue de tuas regras e vomitar todas almas que em vão sorvi. No futuro e no presente eu estou e não estou. Entre o sonho e o acordado, olhos abertos e fechado, zumbi sonâmbulo a vagar na noite. Eu nunca mais deixei que as coisas acontecessem, elas têm ido por si só. A arte de deixar-se ir arrastado pela correnteza da vida, a levar em direção a foz da morte. É lá no mar que hei de morrer, como os navegantes que cruzaram só a metade do oceano.
É tudo que resta, a vontade de deixar-se ir.

Perdas

Só se sabe o valor de alguma coisa quando é perdida. Todos já lamentaram alguma perda. Algumas inclusive serão para sempre lamentadas. De nada adianta lamentar, entretanto. Há perdas inevitáveis que são duras de aceitar, dentre estas as mais duras são as de pessoas que amamos, sempre irreparáveis perdas, quase sempre inevitáveis. Objetos são sempre descartáveis à excessão das obras de arte . Mas as perdas mais lamentáveis são aquelas que poderiamos ter evitado. Um amor que não cultivamos, uma amizade que se perdeu por falta de cuidado. Aí temos que centrar nossa atenção. Temos que saber porque as perdemos, para não perdemos de novo.

Viagem

Viajar é um grande aprendizado. Aprendemos a respeitar as diferenças. A viagem não deve ser uma fuga da nossa própria vida, pois nos levamos juntos nas viagens e lá dentro de nós ela permanece com todos os seus problemas. Mas trocamos um pouco de alma durante as viagens e ficamos renovados para enfrentar as nossas vidas. Surgem novas idéias, pois viajar é também viver, e viver até mais intensamente.Poema

dorme aqui em mim o triste sentimento
da flama opaca que se insufla num momento
nos olhos o aço a frio da fé feroz verbera
um frêmito olfato que se traduz da fera
da presa inerme e exangue jamais se compadece
pois do que o coração tão só em si carece
excede a mão atroz do ato que arrefece
esconde a intenção em vão pois transparece


Benno

terça-feira, 22 de junho de 2010

1- Apagão

olhos fechados
boca velada
silêncio em teu olhar
(antes eles diziam tanto)
morre o dia
esmaece a cor
o amor, antes luz
agora é noite
(apagou-se alguma coisa em mim)

2- Fogueira

a paixão
é a fogueira
que crepita
em Lua cheia
dissolve-se em fagulhas
mil agudas agulhas
e arde intensamente
mas gradativamente
derrete sua luz
e depois vira noite

sexta-feira, 2 de abril de 2010

A luz
que dos teus olhos irradia
queima
Tuas nove bocas de Hidra
devoram


domingo, 28 de março de 2010

O poema o papel e a eternidade

o papel em branco
do poema
a eternidade separa

o papel em branco
da eternidade
o poema separa

a eternidade
do poema
o papel em branco separa

separam-se
poema e papel em branco
eternamente

eternos
papel e poema

transitório poeta

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Que olhar

mas que olhos estranhos são estes
que teimam em me enfeitiçar?
talvez seja o meu fim
pois não sou mais de mim
eu já não me pertenço
e ando até hipertenso
pois sou desses olhos que já conhecia
muito antes de os contemplar

no muro da minha frente
a hera e o musgo vicejam
sinto o vento em meu rosto
franze roto meu cenho
o resto de mim já não tenho
sem os olhos um desgosto
por mais estranhos que sejam
sob este ar inocente

e por que esses olhos
e não outros olhos ?
quaisquer outros olhos
pois que há tantos deles
por este vasto
e sedento de olhos mundo
que olhos certamente
não hão de faltar
e nesse inútil me perguntar
a respeito de olhos
e outros assuntos
vou seguindo
sob o efeito hipnótico
desses olhos catalíticos
na catarse e catalepsia
esta neblina obscura
que há para sempre
de me envolver


Tudo tem alguma beleza, mas nem todos são capazes de ver. (Confúcio)

até no ar há beleza
e no fundo também a tristeza
está no jeito de se o olhar
e que há no toque ao corpo
e nos cabelos o leve alisar
da brisa que vem do mar
pois que ali está o ar
o azul do céu é um véu
que vem do encontro
da luz do Sol com o ar
e de um certo jeito
único e inevitável
nossos corpos se-amantes
ainda que seja improvável
sempre se encontrem
qualquer que seja o instante
por ser o mesmo
o ar com que se cobrem
pois o ar será assim tão belo
se os olhares certos
sobre ele repousarem

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

O Olhar Antigo

Abri os olhos e vi a luz do dia. O encontro do olhar antigo com a luz recém-nascida. E vi que a antiguidade dos tempos não os impede de se renovarem. Só meus olhos envelheceram.

Os dias ressuscitam, apesar de as carnes morrerem.

A eternidade é precoce, só o olhar é antigo.

Já não consigo ver o sorriso no teu olhar como eu via. A canção, que tanto me dizia, já não diz. Os sabores já não sabem. Todos os meus sentidos envelheceram, apesar das coisas terem se renovado. Passo distraído entre o canto dos pássaros e os gritos de felicidade das crianças.

Acho que até meu amor por ti envelheceu.

Percebo agora, que ao abrir os olhos para o novo dia que surge, finjo apenas abrí-los. As pálpebras se abrem mas os olhos rejeitam a luz verdadeira.

Acho melhor aprender a abrí-los sem hipocrisia e ver o que há de verdade. Ver a verdade é ver a idade dos próprios olhos e rejuvenescê-los. E ver de novo o amor que nunca havia morrido.

Benno


EVASIVO

O retorno é renascer. As coisas que andavam mortas, ressuscitam. As lembranças, antes apenas imagens quase irreais, quase fantásticas, muitas delas apagadas, amareladas como ficam as fotografias antigas expostas ao sabor da antiguidade, revivem, suas cores e contrastes, antes esmaecidos, revigoram.

Talvez não exista graça maior que a do retorno. Para viver esta ventura por vezes me afasto, sou evasivo. Desejo de que a saudade avive os fogos que andavam a se extinguir. A saudade é o sopro
que enrubesce as brasas quase extintas das paixões antigas.

Minha alma, assim, vira constante fogueira que se abranda e se aquece alternadamente. Estas coisas das paixões não tem explicação. E eu, que gosto de explicações, de razões, fico como tolo ante a imensidão de tanto mistério. Eu, que quero saber o que acontece em remotas galáxias, apaixonado pela distância da Lua, não entendo estas coisas que me revolvem os pensamentos, fazem palpitar o coração e me impedem de dormir.

Acho que minha alma é misteriosa e faz de mim brinquedo. Gosta de tripudiar e me enganar. Me fazer falsos convites, acenar com falsos propósitos. E eu vivo entre o desespero e a ventura, entre os abismos que separam a mais extrema felicidade da mais tenebrosa tristeza, ao sabor de suas vagas incertas.
Por isto, me afasto, pois a distância é o certificado da eternidade do que sentimos. Se esta paixão que nos tolheu a razão não resistir ao gelo que cerca o afastamento, se resistir a invencível e derradeira prova, é possível que ela seja mais que paixão. Sei que quando me afasto do verdadeiro amor, na verdade me aproximo. E quando digo não, minto para mim dizendo que já esqueci, na verdade digo sim, na verdade a lembrança arde em minhas entranhas. Onde não me encontrares, é ali que estou. Minha ausência é em verdade presença.

Os livros que nunca li são os que sei decor e salteado e nada lembro daqueles que li diversas vezes na esperança de entendê-los. Ando escondido, por trás dos muros, à espreita. Apareço no momento mais inesperado no lugar mais improvável. Sou inimigo do que é óbvio, vou atrás dos autores mais herméticos, obscuros. Percebo que nunca digo o que quero, apesar de sempre dizê-lo.

Renego e destruo as coisas que escrevi e foram entendidas, pois eram segredos disfarçados. A intenção era dizer outras coisas. Mas sempre há alguém sagaz o suficiente para advinhar os meus mais recônditos segredos nas entrelinhas, pois ali estão.

Noutras vezes sou o meu oposto. É que antes estava afastado, mas agora me aproximo como o predador de sua vítima. Não sei se o que escrevo sou eu mesmo ou se é meu disfarce. se sou a máscara ou o rosto. Depois de ter escrito é como se fosse de um estranho. Há partes, mas há o todo. No todo sou eu, mas os detalhes são máscaras, engôdos. Por vezes estou ali, outras vezes, escondido. Sou como a câmera dos filmes de suspense que se escondem por trás das folhagens, observando sem ser observada, sou o Vermeer que flagra as cenas tranquilas do dia a dia e as tranasforma em obras primas cheias de luz. Sei que é estranho, mas não sou eu o culpado, mas esta chama que me invade, me faz esquecer do que quero lembrar e torna inesquecível o que me atormenta. Por isto me afasto evasivo e volto quando já não sou esperado.

Benno

Poemas

1) Beijo

bocas
que mutuamente
se inoculam
o veneno
mortal
da paixão

2) Daltônico

o verde feérico
que recobre
a solitária colina
tem o viço
do vermelho carnal
que teus lábio apontam
vício dourado
tua pele nua

pureza e pecado
habitam a mesma morada
a gruta cálida
em que tua língua
se esconde
dos meu desejos

3) Fingidor (Pessoa Revisitado)

O poeta
é um fingidor
que finge
que o ardor
de sua lira
alivia sua alma
mas na verdade
é um tolo
e, se isto serve
de consolo,
apenas do leitor
as dores acalma

Benno

4) Heresia


Herege
só acretido
em tua boca


5) Libação

Não sei
se eu bebo o vinho
ou se o vinho
é que me bebe
neste mútuo
esquecimento

minto à mente
o manto e o mito
são verdadeiros
o real é que é sonho
viver é dele esquecer
mergulhar na fantasia
que o tinto do vinho inebria


6) o silêncio e a eternidade (poema)

Estrelas e pedras
são mudas e eternas
talvez seu silêncio
indiferente, sem idade
seja manifestação
de sua eternidade
porém a flor
transitória
também se cala
e sua oratória
se expressa colorida
pois, quem sabe, sua cor
seja espécie de fala
(cale-se poeta que em há mim
que vou ser flor
e encontrar nas tintas da vida
outras maneiras de me expor)


7) Quatro Estações

No princípio foi semente: promessa.
Então, simples broto que germina do húmus. Esperança.
Quis o tempo que se vestisse de espessa copa e se cobrisse de flores.
Esplendor!
Agora resta um cepo áspero e rígido que impede o cultivo da terra.
Desolação!

8)Morada - poema de sexta

Apesar de morar
dentro de mim
muitas vezes não sei
o que sinto
se é amor ou dor
se quero ou não quero
para mim mesmo
invento e minto
nesta minha indecisão
deixo a meu coração
falar por mim
mas este arredio se cala
e meu corpo
vira morada silenciosa
talvez sombria
ou então prazeirosa
pronta a explodir
de tanto choro
ou, então, de rir

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Poemas

Salvador Dali
-I-
para sempre há de ser e será
teu olhar no meu olhar
minhas pernas entre as tuas pernas
sob um só lençol nossos corpos

-II-incompleto

por mais que te escreva e descreva
sempre restará um poema a ser escrito
um enigma a ser decifrado
uma palavra por ser dita
uma lágrima que eu ainda náo tenha vertido
ou que não tenha te feito verter
um sorriso que ainda não tenhas me me feito
uma declaração que não ousei
uma ousadia que jamais haverei de declarar

-III-tola vingança

pedaços de mim
espalhados no chão em que pisas
sujam de sangue teus saltos
sem desviar teus passos

-IV-De tantas verdade e mentiras

Sou uma verdade
que um dia me menti
e de tanto repetir
acabei acreditando
és um mentira
que julguei ser verdade
pois só o tempo abre os olhos
velados pela luz

-V- Desencontro

Ela tanto me esperou
que virou pó
dissolveu-se no vento
depôs-se em meu caminho
e sujou meu sapato

(Meu reino por um engraxate)

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Renoir - Jovem penteando os cabelos


todos elementos se unem
para observar a pequena
a singrar sua escova macia
por sua imponente melena
o tempo congela em assombro
o Sol mal contem um suspiro
as madeixas caem pelos ombros
são nelas que eu me inspiro
cascatas de luz que iluminam
o desejo dos menos carentes
o olhar que ingênuo fascinam
os olhares dos mais indecentes
que seria dessa gente
sem esta linda visão?
o mundo seria mais triste
calado e sem qualquer emoção
as respostas às perguntas
mais profundas e intrigantes
reponde este singelo cenário
que pelo espelho do armário
assiste a Lua minguante
neste mesmo instante
e a faz chorar de alegria
suas lágrimas prateadas
na liberdade mesmo que tardia
dessas noites enluaradas





terça-feira, 26 de janeiro de 2010

a beleza mórbida
deste gélido teu olhar
detalhe sórdido
que adivinho em teu esgar
procurei uma maneira
de tua alma perscrutar
e alguma poesia
enfim nela escutar
mas em teu coração
nada havia
além de densa escuridão
teu destino e tua sina
é viver na solidão
e viver sem mim
é o teu triste fim

Ora, nem sei porque escrevo se escrever é apenas uma parte de mim, já que as palavras são minhas tanto verbos quanto substantivos, esta tão triste e pequena metonímia é bem tola e despropositada sina, bem menor que eu mesmo. Qual a razão de fazer algo menor do eu, eu que já tão pequeno sou? Melhor seria apenas ser, coisa bem mais completa e bastante, ser sem me ultrapassar nem ficar aquém de mim. Esta parte que se desprende de mim, a palavra proferida ou escrita, é sempre uma parte menor, nem mesmo a melhor, do meu pensar, e por isso proveito e aprovação de todos menos meu, pois a alguém certamente acrescenta e avulta mas que a mim só subtrai e avilta.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

A CARTA

A leitora de Vermeer

Aflita, espero tua carta, sentindo pulsar dentro de mim uma parte de teu ser que deixastes em mim. A distância fica próxima, assim que a recebo e toco no envelope que tocastes ainda outro dia. E sinto, ao mero toque, teus dedos, e no aroma da carta, teu perfume. Nas letras vislumbro teu rosto, na superfície do envelope, teus olhos.
Chego à janela para enxergar melhor tuas letras, ler tuas juras de saudades e de amor. Não importa que o que dizes na carta não faça sentido, ou seja, apenas a repetição do que os amantes se disseram ao longo dos séculos, pois é pleno de sentido para mim. Nas palavras ali rabiscadas, poucas e parcas, vejo teu coração e palpita o meu em um mesmo compasso. E te vejo inteiro e é como se aqui ainda estivesse. Eis aí o mistério das cartas de amor: escritas num código indecifrável para os que não amam, elas conseguem traduzir os sentimentos mais intraduzíveis. Aproximam, mesmo que tudo pareça distante.
É um desafio aos doutos essa comunicação quase sem palavras que traz em si os olhos, a carne, o desejo, o cheiro, e todas essas coisas inexplicáveis que fazem dois seres se amarem.
Meus olhos perdidos no infinito das entrelinhas te fitam e busco nas partes em branco do papel, nas entretintas, nas entreletras, nas entrepáginas, no ar que a dobradura da carta guardava em seu ventre, nos pós e nos entrepós, um vestígio teu ou qualquer coisa que me faça sentir mais próxima de ti e ter certeza que ainda existes e que não fostes só um sonho bom. Quem dera ter aqui um microscópio para poder observar as tuas células, uma lupa para ler tuas impressões digitais ou mesmo ser uma quiromante para ler as linhas que secretamente escondes em tuas palmas de mão. A carta está toda cheia de ti. Abraço-a ao peito, a beijo e me iludo, imaginando um teu abraço, um teu beijo. Mas não é só ilusão, pois bem sabes que agora a abraço e beijo e me sinto tão perto. Tola, tola eu sou, mas que importa? Só a quem ama é permissível ser tolo. Só quem ama é capaz de compreender a tolice de quem ama. Aos que estão cheios de ódio, essa linguagem do amor parece sandice.
Quando voltas? Ainda não sabes ao certo, mas voltas e é isso que importa. Não importa quanto tempo demoras, será sempre igual à eternidade, pois toda espera é eterna. Enquanto te espero, acalento em meu seio tuas cartas e te trago junto ao peito dessa forma.
Por vezes, como tola, as releio, apesar de já declamá-las de cór, pois mais verdadeiras as palavras quando expressas por tua caligrafia.
A cada leitura descubro encantada outro significado maior que me passara despercebido nas leituras anteriores.
Apaixonei-me pelas tuas cartas e se junta a essa à paixão por ti outra paixão de mesma intensidade. Quando junto essas loucas paixões, elas não se somam, mas se multiplicam e se elevam uma à potência da outra.
Ao terminar a leitura dos teus desejos, a leitura da tua falta, a leitura dos teus carinhos, já fico na espera da próxima ou, então, enfim, da tua volta.