quarta-feira, 14 de janeiro de 2009




o ouro
a prata
e o ferro

o silêncio
a palavra
e o berro

o infinito
a unidade
e o zero

não necessariamente nessa ordem

Benno
Soneto de Shakespeare
Quando eu morrer não chores mais por mim
Do que hás de ouvir triste sino a dobrar
Dizendo ao mundo que eu fugi enfim
Do mundo vil pra com os vermes morar.

E nem relembres, se estes versos leres,
A mão que os escreveu, pois te amo tanto
Que prefiro ver de mim te esqueceres
Do que o lembrar-me te levar ao pranto.

Se leres estas linhas, eu proclamo,
Quando eu, talvez, ao pó tenha voltado,
Nem tentes relembrar como me chamo:

Que fique o amor, como a vida, acabado.
Para que o sábio, olhando a tua dor,
Do amor não ria, depois que eu me for.

6 comentários:

Índia disse...

Lindo! Sei que para muitos esse soneto parece triste, mas como sou assim... deixa pra la. rs

Gostei muito do seu poeminha. Me agrada essa simplicidade que diz muito.

Beijao.

Índia disse...

Benno,

Tenho outro blog, se quiser conhecer...

http://www.em-retalhos.blogspot.com/

Transfiro os contos e as bobagens que escrevo para ele.

PS. Va preparado, meu contos sao sinistros. :)

Beijao.

A Itinerante - Neiva disse...

Benno,

Desculpe a demora. Estou em uma doideira aqui estes dias, mas da semana que vem em diante terei mais tempo para os amigos como você.

Sobre o poema de Shakespeare, é lindo, lindo, lindo. É mais ou menos o que desejaria também.

Se bem que tive um amor que morreu. Nos primeiros tempos foi dolorido, mas hoje trago dele uma lembrança tão doce e gostosa que me aquece por dentro e por isto não gostaria de o esquecer jamais.

Sobre o teu poeminha, ainda bem que você fez aquele comentário na Índia. Ajudou a entender. rsrs

Você tem razão em dizer que não necessariamente nesta ordem. Tem momentos em que um bom berro é mais eficaz.

E momentos também em que o infinito, a unidade e o zero se tornam a mesma coisa.

Adorei!!!

Muito bom ver você postando. Adoro seus poemas e seu blog.

Vai me levar uma poesia na sexta??? :DDD

Beijos

Índia disse...

Fico feliz por vc ter gostado do LUNA, obrigada pela visita nos dois.

Um feliz dia pra vc.

Beijao.

Ava disse...

Amar é isso. Não querer nem ver o pranto da pessoa amada, mesmo depois da morte...


Não necessariamente nessa ordem...

As vezes nem o berro, nem a palavra, nem o silêncio alivia o que vai nam alma.

Beijos e carinhos meus!

layla lauar disse...

pode até soar como heresia, mas não é...gostei bem mais do seu poema do que do poema de Shakeaspeare. :)

beijo Poeta.

Postar um comentário