quinta-feira, 4 de julho de 2013

Dia de Sol, depois de tanta chuva

Feliz daquele que, sempre distraído, passou pelos problemas da vida e superou-os sem mesmo ter percebido que eram problemas. Problemas nem mesmo existem : são só o nome com que denominamos certas situações que exigem alguma ação. Se não tiverem solução, nem problemas são. Os problemas não existem, bem me disse uma coruja que voava ao longe sem me dizer palavra. Foi no silêncio da existência que aprendi a deixar de lado o que me acabrunhava. 

O segredo estava em ser como o vento, que supera obstáculos, escala íngremes montanhas, mergulha como suicida nos mais elevados despenhadeiros, sem se perceber, sem mesmo saber aonde vai. O segredo é ser como a rosa, que desperta nas manhãs sem perguntar a hora ou notar que o pintor nela se inspira. É viver como se fosse um sonho, uma tênue e delicada fantasia, algo que oscila entre os extremos mais opostos sem saber-se meio, é vencer e ignorar os louros, é perder e se erguer de novo sem sentir o tombo. 

Delicio-me com o vôo sem sentido e cheio de rodeios de uma colorida borboleta sem me perguntar ao menos aonde vai assim com tão caprichoso vestido e, ao som do canto esquizofrênico das cigarras, vou dançando a dança da vida, aprendendo a não me perguntar tanto o porquê das coisas.

9 comentários:

ᄊム尺goん disse...

Existe um fado onde Amália Rodrigues canta: “se não sabes onde vais, porque teimas em correr.” A sutileza do verso capta outra dimensão da pressa: ela coloca sentido onde não há. Quem não sabe para onde vai, corre a modo de formatar o caminho...não é??


beijo

Paula Barros disse...

Sábio quem sabe viver assim.
O texto é encantador.
abraço

Canto da Boca disse...

E eu deliciei-me com essa sua narrativa, senti o vento me arrancar da minha inércia e saí por aí, ao léu, voando sobre o mar, sobre as escarpas, virei nuvem.

Seria talvez o segredo da vida desvendado, e confesso que de vez em quando eu tenho isso como antídoto para os atropelos da vida, que alguns dão o nome de problemas, ou como bem colocaste: "são só o nome com que denominamos certas situações que exigem alguma ação".

Deixo beijo Benno, desejos de ótimo final de semana, e vou sair por aí, lépida depois de ler seu belo texto!

;)))

Vera Lúcia disse...


Olá Benno,

Sua filosofia acerca dos problemas é muito coerente. Pensando bem, o que não tem remédio já está remediado e o que tem solução requer apenas ação. Quem tem equilíbrio consegue superar as dificuldades sem considerá-las tempestades.

O texto está poeticamente lindo, principalmente os dois últimos parágrafos. Você estava mesmo docemente inspirado ao elaborá-los. Encantei-me com o vento, com a rosa e com o voo da colorida borboleta.

Linda noite e excelente final de semana.

Beijo.


MARILENE disse...

Admiro aqueles que, mesmo diante das adversidades, não perdem o bom humor. A natureza nos dá grandes lições, realmente. E de forma linda, como ficou seu texto. Bjs.

Smareis disse...

OLá Benno,


Inteligente seu texto, fiz um voo maravilhoso te lendo.
Feliz de quem vive assim...
É no meu silêncio que aprendo e deixo de lado o que me incomoda, meus antes-problemas.
Abraço e parabéns pelas palavras sábias.
Ótima semana!

Claudinha ੴ disse...

Olá Benno!
A vida é uma aventura incrível e superação constante! Cabe a nós pintarmos as nossas asas e sair do casulo, para alçar voos cada vez mais ousados... Belo texto!
Por favor, venha comemorar comigo os dez anos do TP! Beijos!

Rovênia disse...

Juro que vou tentar ver por esse ângulo: o de que não existem problemas. Pode ser que tenhas razão. Inventamos dificuldades demais! Melhor ser como o vento... :)

Ronilda David Loubah Sofia disse...

"(...)O segredo estava em ser como o vento, que supera obstáculos, escala íngremes montanhas, mergulha como suicida nos mais elevados despenhadeiros, sem se perceber, sem mesmo saber aonde vai. (...)"

Depois dessa preciocidade que mais falar sem ser redundante?

Magnifica obra.

Boa terça-feira

Postar um comentário