quinta-feira, 25 de junho de 2015

Estive viajando e por isso não pude mais atualizar o blog.

Parei por um momento
para fitar teu semblante
e eis resumido todo tempo infinito
na duração de um instante
sem perceberes o quão me és urgente
sempre de mim tão distante e indiferente
nunca e jamais que no teu espelho te admires
estão circunscritos ao puro azul destas iris
os mistérios de que ninguém mais sabe
e até o que em si mesmo não se cabe

é que ali, neste exíguo e ínfimo espaço
o universo a ele próprio se resume
tudo em volta de ti se rarefaz, fica escasso
a tua volta só sombras ante teu farto lume


2 comentários:

Vanuza Pantaleão disse...

25 de junho? Então voltaste com a tua bela poesia na data do meu aniversário? Obra do acaso, que gratificante!
Comento teu poema? Não consigo, mas há tanto para desenrolar como fio de novelo nesse tecido de sutilezas poéticas...
Todo o infinito resumido num instante...
Ficarei por aqui.
Beijos, amigo!

Mila Noya disse...

Passo prá te deixar um beijo querido amigo e poeta, giGante é a saudade das longas conversas e da peosia encantada a cada ridada frouxa. Tenho pouco visitado meu próprio blog, mas fico feliz em saber que voltastes pro teu. Te sigo daqui, de maneira tranquila, consciente de que perdura infinito aquela velha e boa amizade. E quando penso que me esqueci, estou eu de novo lembrando de você... um beijo querido amigo!

Postar um comentário