terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

-x- Bolso furado

Andava distraído ao longo da orla, como sempre faço nos finais de tarde dos dias de semana. E é exatamente quando estamos distraídos, sem grandes planos que os grandes momentos nos acontecem. Uma linda, de olhos encantadores, me perguntou como se fazia para chegar em certa rua. Eu a levei até a rua que estava procurando e ela, encantada com minha solicitude, deu seu telefone e me pediu para ligar e combinar uma cafezinho ou outro passeio. Guardei a anotação no bolso,  impaciente diante da espera que iria enfrentar. Chegando em casa, percebi que o bolso estava furado.
Por vezes, um momentâneo bolso furado é a eternidade de um desencontro.

-x- Calça rasgada

Tinha uns 11 anos e havia marcado, pela primeira vez, um cineminha com um garota. Passei horas no banho, me encharquei de perfume, vesti a melhor roupa e roubei uma flor do jardim da minha mãe. No caminho, dei a sorte (azar) de ver uma moeda no chão, Quando me abaixei para pegar a moeda e ... riiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiip! a calça novinha rasgou de cima a baixo, ao longo da parte de trás da costura.  Encabulado e me escondendo, voltei para casa e perdi o encontro.
Achar uma moeda na rua pode ser um acaso infeliz, se se perde a oportunidade de um primeiro beijo.

-x-  Atropelamento

Estava chegando na universidade, para mais um dia de aula.
Desci do onibus e tinha que atravessar a avenida super movimentada. O ônibus ficou parado no semáforo vermelho e, logo atrás, parou outro. Para aproveitar o semáforo vermelho, passei entre os dois ônibus e me inclinei para ver se vinha alguma carro na outra faixa e ... crash! um automóvel freiando atingiu me braço. Desceu uma linda moça do carro e me perguntou:
 - Você está bem?
 - Sim, não foi nada! - disse eu com sinceridade, para logo depois me arrepender. A linda moça já ia embora, dobrando a esquina do sempre, eu aqui, na eterna e solitária quadra do desamor.
Ser sincero demais, pode ser o aborto de uma paixão. 

Citações de Tchekov:

E, depois da morte, Fiodor não iria ser enterrado em ouro, nem em diamantes, mas na mesma terra negra que o último dos mendigos.Iria arder no mesmo fogo que o mais humilde dos sapateiros.

Pareceu-lhe que ricos e pobres viviam igualmente mal (...) e esperava a todos o mesmo túmulo e que não havia nada nessa vida que valesse a menor partícula de sua alma.

do conto "o sapateiro e o maligno" em "a dama do cachorrinho e outros contos". Eu recomendo a leitura! Leia, mas leia só do bom e do melhor e Tchekov é do muito bom e do muito melhor. 

12 comentários:

Vera Lúcia disse...

Olá Benno,

Que surpresa agradável abrir a minha página e vê-lo por lá. Você tomou mesmo um 'chá de sumiço'.
Ainda não li nada de Tchekov, além dos excertos que você transcreveu. Sei que ele foi um grande contista. Registrei sua dica.
Bolso furado, Calça rasgada e Atropelamento me fizeram rir. Incidentes sempre acontecem para mudar o rumo de nossas vidas ou tirar de nossas mãos o que não nos é devido-rs.
Gostei muito de ler.

Grande abraço.

Vera Lúcia disse...

Olá Benno,

Li os dois contos nos links que você indicou.
São envolventes.
O do cocheiro ('Angústia') tocou-me em especial.
Obrigada!

Ótimo restinho de domingo.

Abraço.

Vanuza Pantaleão disse...

Tchekov, um dos maiores contistas. Li, mas foi pouco o que li. Te agradeço pela recomendação, Benno. Aliás, nesse 2015 já comecei a devorar uns livrinhos, daqueles de 500 páginas, sabe? [risos]. E olha que não tenho tempo pra nada mesmo, pois gosto de fazer muitas coisas de uma vez só, embora não seja hiperativa.
Bem, adorei o bom humor dos seus mini contos e tirei uma boa lição: nunca se programe para o amor. Roupa nova pode rasgar, acidentes podem acontecer. Enfim, é só deixar acontecer, se acontecer...
Amigo, perdoe-me a demora em vir aqui, e volto à minha mania de querer me desdobrar e não conseguir. Enfim, hoje consegui e estou bem feliz.
Abração bemmmm carinhoso!!!

ॐ Shirley ॐ disse...

Hoje você encara esses fatos do passado, com muito humor. Mas, quanto azar para uma só pessoa, hein, Benno?rsrs.
Beijo e não desapareça mais!

Smareis disse...

Oi Benno!
Estava com saudades, andou sumido em ?
Feliz com tua presença.
Adorei seus textos, na verdade se programar às vezes nunca dá certo, sempre na ultima hora aparece algo para atrapalhar. Pra mim não funciona sempre dá errado as coisas programada com antecedência.
Coitado do personagem desse texto é bem pé frio mesmo... Três oportunidades, não conseguiu chegar a nenhum encontro. Conhecer a linda moça vai ficar pra outro mini -conto rsrs.
Eu conheço algumas citações de Tchekov. Gosto muito da forma que ele expressa seus pensar. Tchecov foi considerado um dos maiores contistas de todos os tempos. Apesar disso, foi médico a maior parte de sua carreira e nomeava a literatura como sua "amante". Acho que por isso que é brilhante nas letras.
Sabe que tem uma citação dele que li certa vez e nunca esqueci:
“Um casamento feliz pode existir apenas entre um marido surdo e uma mulher cega.”
Faz sentido, kkkk!
Deixo um beijo!

Smareis disse...

Esqueci de agradecer pela indicação dos dois contos.
Vou ver se consigo por ai...
Tchekov é do muito bom e do muito melhor. Se você disse então eu assino em baixo.
bj!

Smareis disse...

Obrigada pela presença e pela indicação!!!

© Piedade Araújo Sol disse...

sorrindo com seus azares.
o primeiro texto está mesmo um must.
gostei!
agradeço muito a sua visita e deixo um
beijo
:)

Smareis disse...

Heii tem postagem por lá, queria tua opinião.
Deixo um beijo Benno!
Desejo uma excelente semana!
Um excelente mês de março!
Um Beijo!

Vanuza Pantaleão disse...

Querido Benno, estou até o pescoço com a leitura de "Chatô - O Rei do Brasil", livro que sempre quis ler, mas não tinha tempo, pois não são 500, mas 700 páginas. Fernando Morais, o biógrafo, discorre com segurança e facilidade, mas trata-se de uma gama de informações enorme sobre as façanhas do homem que inaugurou a primeira TV brasileira. A coisa foi séria, muito jogo político, aquelas "coisas do Brasil" que até hoje persistem - e nunca vão acabar. Afinal, a vida de Assis Chateubriand foi uma saga e tanto. Agradeço-te muito pelas dicas dos contos de Tchekov, já estão na pauta para a próxima leitura. Mas o que me interessou também foram suas "memórias de viagens" em um dos seus ótimos comentários. Seria muito bom que um dia, quem sabe, fizesses uma síntese das mesmas por aqui. Meus pais viajavam muito na nossa juventude e passávamos muito tempo em estradas e hotéis do Oiapoque ao Chuí [rsrs].
Demorei em vir aqui para te agradecer por conta dos probleminhas desse pc que andava com o hd meio problemático. Felizmente, meu filho deu um jeito na coisa. Abração! Deus te abençoe! Bjssss

Vanuza Pantaleão disse...

E eu só uso umas bijouterias (as bijus) bem baratinhas de vez em quando, mas é porque eu sou meio feinha e preciso me enfeitar um bocadinho, senão o maridão me troca por duas de 20 [risos].
Benno, bom fim de semana para ti e obrigada mesmo pela tua opinião tão honesta e precisa lá no nosso blog do matagal!

Smareis disse...

Oi Benno!
Vim vê se já tinha atualização.
Aguardo novos capítulos.
Bjs e ótimo fim de semana!

Postar um comentário