terça-feira, 10 de junho de 2014

tudo o que eu vejo
nesta triste caminhada

o abandono de mil dias

a árida planura que mora
na agrura baldia de um terreno

o musgo  que cobre o muro
sob o qual me escondo

tudo o que eu sofro
é a dor que o nada faz

preferia a aguda dor da punhalada

a plangente e dura face de uma lâmina

que a amargura sempre igual da indiferença

3 comentários:

Vanuza Pantaleão disse...

A indiferença, uma dor sem igual...voltei, amigo! Voltei para apreciar e gostar cada vez mais do teu trabalho poético.Bjsss

Vera Lúcia disse...

Não existe nada mais doído que a tal da indiferença.
Texto melancólico, embora possa não estar relacionado com o estado de espírito do poeta.

Bjs.

© Piedade Araújo Sol disse...

indiferença magoa e bem....

:)

Postar um comentário