terça-feira, 10 de novembro de 2009

INTEMPÉRIE



u
m tufão
passou em minha vida
e me deixou molhado
(de desejo e de prazer)

mas depois
me deixou inclemente
sem remédio e sem bandeira
(acabou-se a brincadeira)

eu a lembrar entristecido
que nunca nada parecido
me castigou tão cruamente
intempérie em meu caminho
um mau tempo em meu destino

e agora
esta nua tempestade
que encharca as ruas da cidade
foi molhar em outros mares
foi olhar que mais havia
por tantos outros continentes

fui apenas mais um penitente
no caminho de um tornado
que erode o coração da gente

hoje sou um tronco arriado
de uma antiga azaléia
retorcido e desenraizado
que um vento arrancou da aléia

4 comentários:

Poeta Revisitado disse...

Que bela tempestade! E há outro clima que nos faça sorrir?
Saudações poéticas

Ava disse...

Uau!!!

Estou aqui paralizada...rs

A força de suas palavras...
O impacto da foto...
E a emoção que emana dessa
mistura de sentimentos...

O que resta da tempestade... um estrago só...rs

Mas que venham tempestades assim...
Essas intempéries a gente enfrenta com gosto...

Melhor ser um tronco arriado, que nunca ter enfrentado um tornado...

Acho que vou parando por aqui...rs

Voce me deixou com vontade de enfrentar um Katrina...rs

Adorei... Gosto de emoções assim... a flor da pele...rs


Beijos!




PS: Depois do comentário pronto, gostei de uma frase... Vou guardá-la e fazer um post depois...
Voce me inspirou com esses tornados...rsrs

Índia disse...

Querido,

Essa foi uma tormenta avassaladora, dessas que passam por aqui (Florida), e deixam tudo arrasado. Mas dá gosto de viver algo tão intenso assim, não é? rs

Dá gosto de ler sua poesia.

Beijossssss

A Itinerante - Neiva disse...

Benno,

Paixão é mesmo bom demais, mas depois que passa... ui...

Beijos, querido.

Postar um comentário