terça-feira, 6 de novembro de 2012

Primeiro, eu aprendi a escrever.

E aí, fui me esmerando na arte da escrita, inventei mundos, fui deixando meu corpo, indo para o espaço, outros universos visitei.

E fui me encantando com as palavras e deixando de ser eu mesmo.

Me tornei arrogante, achando, tolamente, que, por possuir tantos mundos, eu era mais rico e mais feliz.

(ao mesmo tempo, o desespero tomava meu corpo, mas já não tinha consciência dele e não percebi)

Um dia, eu me lembrei do que eu era. E descobri, que o que eu era de verdade não era aquilo, aquele ser sonhador num mundo de sonhos, que eu era algo mais simples e verdadeiro do que minhas palavras. Descobri que as pequenas e desprezíveis emoções do meu dia a dia eram mais verdadeiras do que os arroubos românticos das histórias que eu inventava.

Daí, eu fui desaprendendo a escrever.

Primeiro, eliminei todos os verbos. E o mundo, que ainda existia, parou.

Depois, dispensei o nome das coisas. Tudo sumiu e o mundo acabou.

Depois, foi bem mais fácil eliminar os artigos, adjetivos, preposições pois estas e as demais palavras vivem em função daquelas.

E só restou o silêncio... e eu.

7 comentários:

Paula Barros disse...

A escrita nos transporta, nos dá outro mundo, nos dá vozes.
E quem tem a arte por expressão, e a escrita é uma dessas arte, se a interrompe, fica um vazio, fica um silêncio.
beijo

Claudinha ੴ disse...

Mas , mesmo o silêncio que restou pode ser gritante se tudo nãos serviu como experiência! Ótimo texto, meu amigo! Um beijo!

LUZ disse...

Você não desprezou nem uma categoria morfológica, assim o prova o texto que escreveu, com todas as letras, verbos, adjetivos, substantivos, determinantes, etc.

Claro que entendi a inteligente e ENORME metáfora que nele colocou.

Os afetos fazem falta às palavras e aos "donos" delas.

Luz.

Ana Carla disse...

Triste. Ainda bem que vc está reencontrando o Verbo. Quanto ao que é verdade ou mentira... hehehe... lembro sempre do mestre Machado de Assis n"O Alienista". Quem é louco? Beijo!

MARIA DA FONTE disse...

Que lindo! Comovi-me. Abraços

Smareis disse...

Olá poeta!

Pior do que a voz que cala,
é um silêncio que fala.Simples, rápido! E quanta força!

Grande abraço!
Ótima semana!
Tem atualização!

ᄊム尺goん disse...

Você sabe, existem vozes que não se escutam, luzes que nem se veem...

Postar um comentário